sexta-feira, 9 de março de 2012

Métrica do OSPF

A métrica do OSPF é chamada de custo. Da RFC 2328: "Um custo está associado com o lado de saída de cada interface do roteador. Este custo é configurável pelo administrador do sistema. Quanto menor o custo, mais provável será o uso da interface para encaminhar o tráfego de dados."

Note que o RFC 2328 não especifica quais valores devem ser utilizados para determinar o custo.
O Cisco IOS utiliza as larguras de banda cumulativas das interfaces de saída do roteador para a rede de destino como o valor de custo. Em cada roteador, o custo para uma interface é calculado como 10 à 8a potência dividido pela largura de banda em bps. Isto é conhecido como largura de banda de referência. Divide-se 10 à 8a potência pela largura de banda da interface de modo que as interfaces com os valores de largura de banda mais altos tenham um menor custo calculado. Lembre-se de que, nas métricas de roteamento, a rota de custo mais baixo é a rota preferida (por exemplo, com RIP, 3 saltos é melhor que 10). A figura mostra os custos de OSPF padrão para vários tipos de interfaces.



Largura de Banda de Referência

A largura de banda de referência é padronizada em 10 à 8a potência, 100.000.000 bps ou 100 Mbps. Isto resulta em interfaces com uma largura de banda de 100 Mbps ou maiores tendo o mesmo custo de OSPF de 1. A largura de banda de referência pode ser modificada para acomodar redes com links mais rápidos que 100.000.000 bps (100 Mbps), usando o comando OSPF auto-cost reference-bandwidth. Quando este comando for necessário, recomenda-se que ele seja utilizado em todos os roteadores de modo que a métrica de roteamento OSPF permaneça consistente.

O OSPF acumula custos

O custo de uma rota OSPF é o valor acumulado de um roteador para a rede de destino. Por exemplo, na figura, a tabela de roteamento em R1 mostra um custo de 65 para alcançar a rede 10.10.10.0/24 em R2. Uma vez que o 10.10.10.0/24 está conectado a uma interface FastEthernet, R2 atribui o valor 1 como o custo para 10.10.10.0/24. R1 adiciona então o valor de custo adicional de 64 para enviar dados pelo link T1 padrão entre R1 e R2.


Largura de banda padrão em Interfaces Seriais

Você pode utilizar o comando show interface para exibir o valor de largura de banda utilizado por uma interface. Nos roteadores Cisco, o valor de largura de banda em muitas interfaces seriais padroniza-se em T1 (1.544 Mbps). Porém, algumas interfaces seriais podem padronizar-se a 128 kbps. Portanto, nunca suponha que o OSPF está utilizando um valor de largura de banda específico. Sempre verifique o valor padrão com o comando show interface.


Lembre-se de que este valor de largura de banda não afeta realmente a velocidade do link; ele é utilizado por alguns protocolos de roteamento para computar a métrica do roteamento. Mais provavelmente, em interfaces seriais, a velocidade real do link é diferente da largura de banda padrão. É importante que o valor de largura de banda reflita a velocidade real do link de forma que a tabela de roteamento tenha informações precisas sobre o melhor caminho. Por exemplo, você pode estar pagando somente por uma conexão T1 fracionária de seu provedor de serviços, um quarto de uma conexão T1 inteira (384 kbps). Porém, para propósitos de protocolo de roteamento, o IOS assume um valor de largura de banda T1, muito embora a interface esteja enviando e recebendo de fato somente um quarto de uma conexão T1 inteira (384 kbps).

A figura mostra a saída de comando para a interface Serial 0/0/0 em R1. A topologia também reflete agora a largura de banda real do link entre os roteadores. Observe que o valor de largura de banda padrão na saída de comando para R1 é de 1544 kbps. Entretanto, a largura de banda real deste link é de 64 kbps. Isto significa que o roteador possui informações de roteamento que não refletem precisamente a topologia de rede.


A figura mostra a tabela de roteamento para R1. R1 acredita que ambas as suas interfaces seriais estão conectadas a links de T1, embora um dos links seja um link de 64 kbps e o outro seja um link de 256 kbps. Isto resulta na tabela de roteamento de R1 tendo dois caminhos de custos iguais à rede 192.168.8.0/30, quando o Serial 0/0/1 é, de fato, o melhor caminho.

O 192.168.10.8 [110/128] por 192.168.10.6, 00:03:41, Serial0/0/1
[110/128] por 192.168.10.2, 00:03:41, Serial0/0/0


O custo de OSPF calculado de uma interface pode ser verificado com o comando show ip ospf interface. Na figura, nós podemos verificar que R1 está de fato atribuindo um custo de 64 à interface Serial 0/0/0. Embora você possa pensar que este é o custo correto porque esta interface está conectada a um link de 64 kbps, lembre-se de que este custo é derivado da fórmula de custo. O custo de um link de 64 kbps é de 1562 (100.000.000/64.000). O valor de 64 exibido corresponde ao custo de um link T1. Clique aqui para aprender a modificar o custo dos links.


Fonte: Texto e imagens retirados do material CCNA Exploration 4.0 na parte de Protocolos e Conceitos de Roteamento.

7 comentários:

  1. Amigo, essa tabela do cálculo de custo do ospf, só é válida para a configuração no ios da cisco? O ospf em outros roteadores de borda trataria o custo de uma forma diferente? Exemplos, huawei, juniper e mikrotik.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Material top, ajudou muito. Obrigado Keilly!

    ResponderExcluir